Home - Amendola Engenharia Empresa - Amendola Engenharia Dicas e Informativos - Amendola Engenharia Cadastra-se - Amendola Engenharia Contato - Amendola Engenharia Onde Estamos - Amendola Engenharia
Untitled Document
 
Dicas e Informativos - Amendola Engenharia
Spacer - Amendola Engenharia
Área de Lazer
Área de serviço
Banheiros
Construção
Cozinhas
Decoração
Dormitórios
Paisagismo
Pintura
Piscinas
Pisos
Salas
Telhados
 
Área Restrita - Amendola Engenharia
Login - Amendola Engenharia
Senha - Amendola Engenharia
 
 
Endereço - Amendola Engenharia
mendola Engenharia
Separador - Amendola Engenharia
Dicas e Informativos - Amendola Engenharia
:: Amendola Engenharia ::
Construção prevê semestre melhor
A construção civil desacelerou no primeiro semestre, mas representantes do setor projetam alguma recuperação ao longo dos próximos meses.
Walter Cover, presidente da Associação Brasileira de Materiais de Construção (Abramat), projeta avanço de 4,5% da produção de materiais de construção neste ano, o que embute perspectiva de aceleração em relação ao crescimento de 3,7% observado no primeiro semestre, sempre em relação a igual período do ano passado.

Em julho, as empresas afirmaram que as vendas devem ter ficado estáveis, de acordo com o termômetro do setor, divulgado mensalmente pela Abramat. “Mas isso significa que o setor deve ter mantido crescimento em torno de 4% no período, o que está longe de ser um desastre.”

Parte da aceleração, segundo a entidade, se deve à expectativa de retomada dos projetos de infraestrutura, diante da perspectiva de aceleração das obras por causa das concessões de projetos para o setor privado e também em função da proximidade do ano eleitoral.

Já o mercado doméstico de cimento cresceu 4,4% em julho, ante igual período do ano passado. Em relação a junho, as vendas por dia útil avançaram 1,4%. Para o presidente do Sindicato Nacional das Indústrias de Cimento (Snic), José Olavo de Carvalho, as vendas devem ser maiores no segundo semestre, mas insuficientes para que o setor cresça os 5,5% estimados no início do ano. “Estamos revisando nossos números e a tendência é certamente de alta inferior a 4%”, afirma. Cauteloso, Carvalho pondera que não deve haver redução do consumo de cimento no país, mas diz que, como o setor imobiliário dá sinais de perda de fôlego, o segmento passou a trabalhar com estimativas mais modestas.

Carvalho avalia que o início de obras de infraestrutura poderia contrabalançar o desaquecimento do setor imobiliário nos últimos meses, mas até agora esses projetos não começaram. “Esperamos que as concessões em algum momento aumentem as vendas do setor, mas até as obras se traduzirem em demanda efetiva vai algum tempo.”

Fonte: Valor
Amendola Engenharia - Imprimir Amendola Engenharia - Enviar para amigo
:: Amendola Engenharia ::
 
Envie-nos
Nome:
E-mail:
Texto
Verificação de Imagem
Por favor digite as quatro letras ou dígitos que aparecem na imagem.
Amendola Engenharia
 
Não há comentários
sobre o informativo acima.

 
 
   Banner Publicitário